O lado limpo

(...)

mesmo quando insone o dia

ainda menino, cresce,

é sempre e só o teu sabor,

permanece

doce, tão doce

que endoidece o que de mim,

pouco, já subsiste,

da sensatez que esquece

porque é a demência,

só o desvario me apetece

na ânsia de excesso que nunca se desvanece,

de ti,

da tua pele, paixão

maior

  • Escreveu ou está a escrever um livro que quer publicar?
    Está no lugar certo! Na Atlantic Books estamos constantemente à procura de autores talentosos, para ajudar a transformar as suas ideias em excelentes livros.
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para lhe oferecer uma melhor experiência e serviço.
Para saber que cookies usamos e como os desativar, leia a política de cookies. Ao ignorar ou fechar esta mensagem, e exceto se tiver desativado as cookies, está a concordar com o seu uso neste dispositivo.